Qui ne fait châteaux en Espagne?

Construir aqueles castelos de areia com granito não queres?
Pois vê, estas idealizações de menino são agora realidade
E outra coisa não quero, não desejo, senão vibrá-las na terra.
Pois se cada sonho e ilusão têm que ficar lá atrás, no passado,
De que me serve perpassar (e passar) o tempo discutindo-os
Como paradigmas e símbolos e metáforas para a vida adulta?
Não, recuso-me a tomar parte nesta conspiração de niilistas,
Nesta rebelião de monocromáticos acinzentadores da vida,
Neste motim de ateus passivos contra o Deus da Atividade.
Construir aqueles castelos de granito que eu fazia com areia!
Construir com pedra talhada na Montanha do Rei; cada bloco
Para as muralhas e para as torres e para a vida e meu quarto.
Pois revê em ti, então, o motivo deste desdourar das fantasias.
Quando vier o Rei, achará fé em ti? Tu que também és… terra!

Autor: Dayher Giménez

28 de abril de 1989, A.D.: nasci. Desde então, penso. Pindoramense e granadino, paulista e andaluz, brasileiro e espanhol. Neto de imigrantes e exilados por três costados (espanhol, austríaco e italiano) e brasileiro da gema por um costado (a tríade miscigenária da Terra de Santa Cruz). Graduado primordialmente em História pela antiga Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Catanduva e em outras “coisas” — a grande palavra medieval! — da universitas magistrorum et scholarium. Em religião, cristão reformado. Em política, conservador libertário. Em futebol, palmeirense. Eis os crivos básicos. Ouso escrever sobre aquilo que me chama a atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *