Poesia Orgânica — I

A impressão causada às vezes dispersa o ímpeto, como água fria em calçada cálida sobre as fezes.

Figura de verdades ocultas: o figo verde e suas agruras, a nuvem sem forma e a mente nua, a tentativa de comer e enxergar significado, de ter tento no sabor e na variação do vento, sem avaria na boca e alucinação neural.

Paranóico, partiu para o ócio feito rei, potentado estóico em terra de delícias, para tentar a toada do poeta com leite banhar, para no círculo encantado o quadrado da lucidez encontrar: qual luz e verso, a acidez do líquido e a limpeza do místico.

Teus olhos reféns dos meus troféus: lhe dou os méritos, os três lugares do pódio, o lagar sem vinho, a ira sem ódio, a vida sem pretéritos.

Deus deu seu sangue sem cálice, na boca nua, na língua crua, na boa hélice das papilas. O trigo assado, motivo da carne, molhado no corpo, arde votivo no estômago, no âmago.

O professor refez as letras, as palavras na terra desenhadas. Confesso, Senhor, que lavro no papel, o ser da árvore. Vê do alto as nuvens, que vêm todas chover sobre o texto daqui. Tua obra, luz sem breu, que abra o livro à cruz.

Deitei na areia, ali onde reina o mar, onde os ramos se aninham nos pássaros e as leis não doem na teia da civilização. Viril, mantenho a mania de somar proezas e remar sozinho: quero alcançar fama com Deus e zerar a lonjura do horizonte. Juro, ontem e hoje, que rumo da poesia vil ao poema raro.

Caro, li na parede a mensagem, o ágio dos deuses, mentindo à mente, rede de lambaris neurais. O texto, peixe de Jonas, jaz no ventre das arraias: raro sentido para este comum intérprete. Se pedra fosse, preto granito, que alfabeto eu teria? Tédio, são enguias!

Alça vôo, criança! O vô alcança tuas mãozinhas, amorzinho. Maior alegria, raio pacífico ao luar, ilumina a imensidão do agreste. Assim, antes e depois, fica numa geração e noutra cindido o mundo debaixo do mundo de cima. Nós unimos o universo, na ascensão e na queda, ao céu e à terra. E o sol, na cor, crepita na fogueira. Cessa o brilho noturno e o grilho anuncia o galo.

Acostuma-te com as constelações que se apagam. Tem contidas tuas ações, como se no céu os santos, em grandes telas, te assistissem a vida. Tão nuas lágrimas e prantos são assim os eus se unindo na lida. Volta ainda as costas às tímidas jornadas e vai correr, na esgrima dos anjos, com as asas e os arreios dos pássaros e dos cavalos.

O caráter dela é éter, cara! Mas sê com ela gentil, ainda que seu gentílico seja etílico melado ou ácido. Assim dominas os lados éticos do espírito, assim alivias sem lítio o cérebro.

Dê à vida aquilo que te deleita. Sê o Aquiles do teu meio, e não débil cheirando à leite e chorando-o derramado. Sê duma mulher o amado, sê aquele cujo nome sem lamúrias é honrado, ainda que estejas na metade do caminho e te rias do rábula que tenhas te tornado. O furacão da existência, cão de fúria, sopra nas almas prenhas seu gérmen de caos. Mentem as gentes: mentem de língua nos dentes, mentem té aos mendazes!

Dividiremos um túmulo, a dívida do tumulto do Éden. Para lá iremos muito tarde, quando as folhas já forem pedra e os rios rastros na areia, quando os astros medrarem luz fora do universo, no antro onde rema o barqueiro ou no empíreo onde o Rei verseja unidade o Rei.

Autor: Dayher Giménez

28 de abril de 1989, A.D.: nasci. Desde então, penso. Pindoramense e granadino, paulista e andaluz, brasileiro e espanhol. Neto de imigrantes e exilados por três costados (espanhol, austríaco e italiano) e brasileiro da gema por um costado (a tríade miscigenária da Terra de Santa Cruz). Graduado primordialmente em História pela antiga Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Catanduva e em outras “coisas” — a grande palavra medieval! — da universitas magistrorum et scholarium. Em religião, cristão reformado. Em política, conservador libertário. Em futebol, palmeirense. Eis os crivos básicos. Ouso escrever sobre aquilo que me chama a atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *