Lamento sobre a Alexandria Brasílica

O galo-da-serra viu subir a lua vermelha.
Cantou, medroso, a melodia que aprendera com o dono antigo, rei e poeta:
Ré do si lá sol fá mi ré…
Dum esquisito paço no centro da nação,
Custodiada por infame mão,
Veio descer a centelha duma brasa que Alexandria incendiou.
Os ossos da Eva do Novo Lácio, calcinados com o faraó inominado.
Os pergaminhos de Cícero e Brutus, enrolados pela labareda insone,
Consomem a letra carmesim, rubricando de brasa a velha liturgia.
Quem é teu Nero, que harpejava enquanto Roma ardia?
Ah, mármore e dourado modestos dum soberano sábio,
Que pode o Clássico, na quinta rural,
Contra o mundo de aço, de pó cinza, artificial?
Eleva teu canto ancestral, poeira de glória,
Como sobre o Ararat Noé balbuciou a História,
E diz ao povo órfão até de avós
A genealogia do homem, da pedra à mó.
O gládio romano e a cimitarra do Islã,
O espadim dos Luíses e a adaga de Lampião,
Tudo fundido, na pedra e no chão,
Sob a força do férreo, espacial torrão;
Outro meteoro da Extinção?
Como cantiga de exilado no próprio lar,
Caipira meto a viola debaixo do alqueire,
Junto à candeia da fé que vem renascente.
Rezo a Deus o pedido final:
Que Idade permanente e medianeira chegue,
De luzes como aquela da gótica catedral,
E escreva, com letras de iluminura,
Sol de caligrafia e altura,
O futuro deste Império Milenal.

[2.9.2018]

Autor: Dayher Giménez

28 de abril de 1989, A.D.: nasci. Desde então, penso. Pindoramense e granadino, paulista e andaluz, brasileiro e espanhol. Neto de imigrantes e exilados por três costados (espanhol, austríaco e italiano) e brasileiro da gema por um costado (a tríade miscigenária da Terra de Santa Cruz). Graduado primordialmente em História pela antiga Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Catanduva e em outras “coisas” — a grande palavra medieval! — da universitas magistrorum et scholarium. Em religião, cristão reformado. Em política, conservador libertário. Em futebol, palmeirense. Eis os crivos básicos. Ouso escrever sobre aquilo que me chama a atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *