Canción del Capitán Taciturno

Cuantos sueños deseados
No podrán la luz mirar,
Cuantos barcos deseñados
Nunca verán el mar.
El consolo de mi voz
Es el canto del condor,
Que adelante en la montaña
Anuncia mi amor.
Yo te digo, mi señora,
Que pasada es la hora
Como el jubilo fatal
De un perdido animal.
Moriré sin te oir.
Hoy me voy partir…

Autor: Dayher Giménez

28 de abril de 1989, A.D.: nasci. Desde então, penso. Pindoramense e granadino, paulista e andaluz, brasileiro e espanhol. Neto de imigrantes e exilados por três costados (espanhol, austríaco e italiano) e brasileiro da gema por um costado (a tríade miscigenária da Terra de Santa Cruz). Graduado primordialmente em História pela antiga Faculdade de Filosofia, Ciência e Letras de Catanduva e em outras “coisas” — a grande palavra medieval! — da universitas magistrorum et scholarium. Em religião, cristão reformado. Em política, conservador libertário. Em futebol, palmeirense. Eis os crivos básicos. Ouso escrever sobre aquilo que me chama a atenção.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *